HOME
A AAPC
COMO AJUDAR
LOJA SOLIDÁRIA
GALERIA
NOTÍCIAS
VOLUNTARIADO
CONTACTOS
MISSÃO

Prestar assistência e apoio a pessoas carentes portadoras de cancro;

Proporcionar e criar condições para a melhoria da qualidade de vida dos utentes;

Auxiliar os doentes em diversos aspectos, como o empréstimo de equipamentos hospitalares, camas articuladas, cadeiras de rodas, andarilhos, próteses...

Comparticipação em medicamentos;

Comparticipação em transportes para tratamentos;

Apoio Alimentar...

NOTÍCIAS

Dançar para não pensar no cancro
Carregue na imagem para ampliar...
Data: 04/12/2017
Fonte: TSF

Os utentes da Associação de Apoio a Doentes com Cancro não se esquecem de apontar na agenda o dia. Na última 5ª feira do mês, João Alves aparece para a aula e durante uma hora não existem problemas.

O grupo mexe-se de um lado para o outro, sem queixas nem dores. Terapia? Divertimento? Ambos, dizem todos, porque ali sacodem a solidão, desabafam com quem sofre da mesma doença e fazem amigos.

Ao início da tarde, sempre na última quinta-feira do mês, a sala tem a aparelhagem pronta a tocar e os alunos chegam a horas. O som começa a tocar e pouco depois já há corpos suados, rostos corados, alguma fadiga, mas não há canseira que demova os alunos de João Alves. Há um ano este professor de danças de salão levou até à Associação de Apoio a Doentes com Cancro, na Senhora da Hora, em Matosinhos, os movimentos que ensaia na sua academia.

Cada um frequenta as aulas ao seu ritmo. Os dias de consulta ou de tratamento nem sempre são compatíveis com este bocadinho de tempo em ambiente de amizade e sem olhares avaliadores. Olga Monteiro, 51 anos, tenta contrariar tudo isto, porque a dança é mais um passo para se libertar do mal que a vida lhe trouxe.

Depois da aula há, ainda, alguns minutos para lanchar. A mesa está posta. Tem pastéis de nata e chá quentinhos. O grupo não sai, sem partilhar mais alguns desabafos, já depois da dança. Luís Moreira é o único homem e garante que é um mestre "em dança de baile".

Maria do Céu Fernandes entra na brincadeira com facilidade é desta casa há mais de sete anos. A dança foi opção imediata, porque aqui "sente-se leve. Não me dói nada".

A blusa cor-de-rosa de Ana Gomes, que ficou manchada de suor durante a aula, está quase seca nas costas. Também ela não falta à chamada da dança, que encara como um momento de diversão e como uma terapia contra os "dias maus".

João Alves também está sentado na mesa. Fica para escutar os desabafos dos alunos. Quando chega ao início da tarde, o professor é recebido com sorrisos. Sabe que aquele momento é, para eles, importante, por isso, empenha-se em lhe proporcionar um momento de boa disposição, com muito ritmo e sem condescendências.

Francisco Vieira, psicólogo, coordena as atividades da associação de Apoio a Doentes com Cancro. Garante que estes momentos de socialização são um bálsamo. "O objetivo da dança é diminuir o isolamento social. Assim evitamos que fiquem em casa, mergulhados em pensamentos negativos".

Aqui, explica, Francisco Vieira, estes doentes trabalham o físico e a mente. Os resultados são evidentes. Há um antes e um depois. "Aqui ninguém se queixa. Não há vitimização".

Os passos desta associação cruzam-se com a história de Susana Duarte, uma das coordenadoras. A sua mãe foi uma das fundadoras, em 2005, quando precisou de ajuda.

A Associação de Apoio a Doentes com Cancro apoia cerca de 380 utentes do distrito do Porto. Muitos gostavam de estar aqui, ou de vir até cá, mas estão impedidos por limitações financeiras. "Às vezes, a distância é limitadora".

Para além das atividades lúdicas e de bem-estar, a Associação de Apoio a Doentes com Cancro vai respondendo, como pode, a todo o tipo de pedidos. Mas não a todos, o dinheiro não chega para tudo.

Com poucos apoios do Estado vai valendo a rede de voluntários e técnicos que dispõem do seu tempo para ajudar o próximo.

VOLTAR
EVENTOS
TORNE-SE UM BENFEITOR DA AAPC
Pode ajudar com donativos através do IBAN:
PT50 0010 0000 3558 1190 0017 8
Do banco BPI ou diretamente na sede.